RESILIÊNCIA
Vamos respeitar o caráter sagrado do inexplicável.

Mensagem memórias dos outros resílias Theme



15
Reblogar →

Eu estou oca.


Sim, meu bem,
ao contrário do que se diz,
o vazio também enche.

— glossariando

1
aflorante: Um livro que vc recomenda ler?>

Um Estudo em Vermelhor - Sir Arthur C. Doyle

Me lembra outono. Muito bonito. Mesmo!

0
recalcitrar: @nataliaclaret.. me diga o teu? kkk boa noite.>

@sue_salves

Já te sigo, cê já me segue. tudo em casa haha

22
Reblogar →
sinuses:

Boulevard St Germain, Paris 1952.
Photo: Herbert Tobias
1
Reblogar →
Me façam perguntas.

E eu digo o que seu tumblr me lembra. 

72
Reblogar →
semioticapocalypse:

Eve Arnold. Schoolgirl in Kuban, 1965
[::SemAp FB || SemAp G+::]
53
Reblogar →
semioticapocalypse:

Laure Albin-Guillot. Le Groupe. c. 1935
[::SemAp FB || SemAp G+::]
204
Reblogar →
dichotomized:

Three Jewish resistance members about to be executed during the Warsaw Ghetto uprising in 1944. The range of emotions is obvious; one in mortal fear and pleading, one erect and defiant, and one resigned and relaxed. During the uprising, the Jews managed to hold off the Nazis for a while, killing many and wounding more before being overrun and burned out of hiding.
105
Reblogar →
Muita alma nessa hora.
— Eu me chamo Antônio 

21
Reblogar →
6
Reblogar →
arsivist:


Paul Wolff
0
semtom: @joyluuz <3>

Segui lá, moça :3 

@sue_salves

0
por-mateus: instagram? @mas_teu. e aí, como vai?>

Vou bem e você

Segui lá. 

@sue_salves

13
Reblogar →
Meus dedos deslizam de uma forma que quem vê pensa que é fácil, se enganam! Cada letra soa como o som de uma lágrima encontrando o chão. São tantas lamurias, tantos pesares (…) Busco por uma exceção, a tão famosa luz no fim do túnel, ou apenas um ponto de paz que arraste-me deste caos que tem se tornado viver e a única coisa que encontro são mais motivos para choros e toneladas e toneladas de decepções.

Tento chegar a uma conclusão;

Contar até dez.

Mil se preciso.

Não deparo-me com nada satisfatório. Por isso continuo assim, com toda força que ainda resta neste frágil corpo, encarando a vida como uma maratona, sabendo que de uma forma ou de outra preciso chegar até o fim. Quem sabe nesse fim encontro uma recompensar digna e gratificante.

Joy Luz  

506
Reblogar →
É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas, teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento das horas ponha um frêmito em teus cabelos. É preciso que a tua ausência trescale sutilmente, no ar, a trevo machucado, as folhas de alecrim desde há muito guardadas não se sabe por quem nalgum móvel antigo. Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela e respirar-te, azul e luminosa, no ar. É preciso a saudade para eu sentir como sinto - em mim - a presença misteriosa da vida. Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista que nunca te pareces com o teu retrato. E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te.
Mário Quintana. 

Theme